Quero ajudar os animais abandonados, mas como?

Pessoas me comentam todos os dias que gostam muito dos animais, particularmente, cães e gatos e geralmente demonstram interesse em ajudar aqueles que foram abandonados. Hoje vou comentar, de forma objetiva, como todos podemos ajudar.

Trabalhando como adestrador há 16 anos criei uma estatística baseado nas experiências com meus

clientes, Esses números não são exatos, mas demonstram claramente exemplos claros do que acontece todos os dias .

Atualmente atendo em média 80 cães por ano na região, esse é meu numero base (80 cães = a 100% ).

A origem desses 80

– Em média 20% são cães adotados ou tirados das ruas. Desses 20% que são adotados, 80% já estão castrados (por ongs, protetores ou canis municipais) e o restante não serão castrados devido ao custo alto das castrações . Desses 20%, quase metade é repassada para outro adotante.

– Em média de 60% dos cães foram comprados em lojas ou com criadores (regulamentados ou não) e desses 60% , 10% são doados por falta de paciência e tempo , gastos elevados ou mudanças de endereço.

– Em média de 15% foram ganhos de “presente”.

– E, finalmente, desses 80 cães, uma média de 5% são fruto de ninhadas dos cães que já estão na casa.

O ‘X’ da questão

Em média desses 80 cães , 20% acabam gerando novas ninhadas com médias de 6 filhotes cada.

Fazendo uma conta rápida, 20% de 80 são 16 cães x 6 filhotes = 96 filhotes. Desses 96 filhotes 80% são doados para amigos, vizinhos e empregados e os outros 20% são vendidos .

Baseado nesses números, lembrem-se que são estatísticas minhas como adestrador em 16 anos, como ajudar?

1- Posse responsável. Pense bem antes de adquirir um cão (ou gato). Considere suas responsabilidades com o cão (ou gato), espaço físico (pátio fechado), tempo e custos .

2- Confirme sempre que adquirir um cão os benefícios da castração com um médico veterinário.

3- Aconselhe a quem você conhecer que queira cruzar uma fêmea, que isso não ajuda a melhorar o comportamento e nem previne doenças.

4- Considere adotar: uma opção viável e sustentável.

5- Procure ongs e protetores nas redes sociais e veja como você pode ser útil sendo voluntário.

6- Tenha paciência com o seu próprio cão e procure ajuda de um adestrador sempre que necessário.

7- Não abandone nunca, não maltrate e não humanize seu cão .

8- Muito cuidado em época de festas, evite que seu cão fuja e se perca. Identifique-o sempre.

Compartilhar

Foto da Semana #58: “Haja galinhas”, de Leonardo Boufler

Avançar »

Foto da Semana #59: “Nutrindo Sonhos”, de Viviane Custodio Machado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*

Turismo
home_central_vertical