Filhos ou cães?

Parto normal ou cesárea?

Você ainda dá de “mamar” para seu filho?

Quando tu ficas com teu filho com essa vida corrida que tens?

A vovó mima muito meu filho!

Babá de confiança hoje em dia é raro!

Que escola estuda seu filho?

Tu falas sobre sexo e drogas com teus filhos?

Bah, como é caro criar um filho hoje em dia!

Criar um filho no mundo de hoje em dia é uma loucura! Segurança, saúde, educação, tempo, dedicação, amor…

Vivo para meus filhos! Mas e eu? Isso é egoísmo? Ou é livre arbítrio?

Dúvidas ou questões que muitas pessoas, por opção ou falta de condição física, desejam ou não desejam passar (ou não podem). Até mesmo escrevendo, não há certezas.

Na dúvida, muitos escolhem ter um cão.

Por opção, com certeza.

Decidir ter um cão é muito mais fácil,  e nunca é uma condição imposta por alguém da família ou pela sociedade.

Mas, com certeza, posso afirmar que não é necessário menos amor para se ter um cão. O ser humano pode amar de maneiras ainda não calculadas ou medidas.  Amamos nossas esposas de um jeito, nossas amizades de outro, amamos até alguns objetos.

Algumas pessoas ou famílias acabam ficando muito próximos de seus cães; próximas demais, até.

É correto humanizarmos quase tudo?

Como tratar uma planta como um humano, senão como uma planta?

Como tratar um cavalo como um humano, senão como um cavalo?

Como tratar um cão como um humano, senão como um cão?

Cães precisam de liderança e de limites. Pelo fato de conviverem tão próximos da gente, eles também precisam de regras e de rotina.

Impor regras e definir uma rotina para um cão: isso também é uma forma de amar. A criação de um cão envolve responsabilidades e uma delas é a educação.

Essa educação precisa ser encaixada na “sua” rotina e essa, por sua vez, será a rotina do seu cão. Quando você adestra um cão do seu jeito ou com um auxílio de um profissional, como com uma criança, você precisa lembrá-lo, constantemente, de quem é o responsável por ele e quem está no controle. A referência, o porto seguro.

Se você relaxa e acaba cedendo às vontades do cão por pena ou querendo compensar algo, o cão avalia isso como uma fraqueza ou submissão e, então, assume o controle da situação.

Se isso se tornar frequente, ele late quando quer, manda você fazer carinho quando quer, entra na casa quando quer, sobe no sofá quando quer, sai do pátio quando quer, faz suas necessidades onde quer. Disciplina e regras são importantes, por isso vou passar algumas dicas que poderão ajudar:

– Defina dois horários diários para alimentação e não deixe comida à disposição.

– Não dê nada ao cão enquanto você estiver comendo.

– Defina o local onde o cão deve dormir. De preferência, não com você.

– Passeie com seu cão todos os dias e use guia com coleira, e não peiteira.

– Não use o nome do cão para repreendê-lo.

– Evite falar com seu cão e use palavras curtas (sempre as mesmas) associadas a uma situação e repreenda sempre que necessário, sem bater e sem muita conversa.

– Não faça carinho no seu cão quando ele estiver nervoso.

Bom senso e boa sorte!

Até a próxima!

FOTO: ilustrativa / guiadicas.net

Compartilhar

Foto da Semana #37: “Esperança e alegria”, de Marcelo Camargo

Avançar »

Foto da Semana #38: “Buraqueiras”, de Gilberto Winter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*

Turismo
home_central_vertical