Meu amigo tem quatro patas

Prisioneiros das emoções, vamos vivendo o tempo no estresse, na pressa, relevando, tolerando, acatando, muitas vezes, condições impostas pela sociedade, pelo trabalho, pela escola, pela vida.

Nossas emoções controlam nossas vidas de uma forma instintiva. Quando menos esperamos, já estamos seguindo o padrão que nos foi imposto desde crianças até o momento atual, seja perdendo a paciência no trânsito, no trabalho,  em casa ou em qualquer  lugar.

Problemas… todos temos.

Não nascemos para vivermos sozinhos, mas sim para viver em sociedade, em comunidade. Só que isso, às vezes, se torna bem difícil. O mundo de hoje se tornou muito superficial, cercado de interesses e materialismos.

A balança da vida fica desequilibrada.

O ter é mesmo mais bonito que o ser?

Penso que o objetivo principal de quase todo o ser humano no planeta é ser feliz, mas para isso, precisamos encontrar o equilíbrio nessa balança.

Vamos refletir: se as emoções controlam nossas vidas de forma instintiva a todo o momento, então, sempre ocorre um choque ao nos depararmos com a superficialidade dos sentimentos nos dias de hoje.

Mentiras, omissões, traições, repressões… Todos sentimentos negativos que nós, “seres humanos”, carregamos .

Minha nossa!

Precisamos buscar o equilíbrio!  Mas onde?

A natureza é pura e perfeita

Os animais estão aqui para nos lembrar quem realmente somos.

Desde os tempos da pré-história, eles já protegiam as cavernas de nossos ancestrais, em troca de sobras da caça dos homens das cavernas. Com o passar dos tempos, fomos ficando cada vez mais próximos deles e, hoje, vivem dentro das nossas “cavernas”.

Dividimos nossas preocupações, frustrações, conquistas e alegrias com eles. Nosso tempo, nossa rotina, nossas despesas são questionáveis para muitos que não conhecem o sentimento que temos por eles.

Eles não são materialistas, não mentem, não omitem ou humilham (ao contrário do que muitos pensam), não traem nem oprimem.

Sentimo-nos atraídos pelos cães sem fazermos uma boa avaliação do por quê.

Cavalos, gatos e cães.  Com eles podemos relaxar, tirar a máscara. Descarregar frustrações e desilusões. Eles são ótimos ouvintes e sabem ficar em silêncio, só nos sentindo, como poucos. Recebem-nos sempre com alegria quando chegamos em casa, mesmo que tenhamos saído só por alguns minutos. E carinho é com eles mesmos, sabem receber e adoram.

Para eles não faz diferença nenhuma a marca de sua roupa, o carro que você tem, se o computador é moderno, se a gasolina está cara, se você está de TPM, se o filme é bom ou se os juros estão altos.

Enfim…

Com eles o equilíbrio é restaurado, os sentimentos positivos imperam nos momentos que estamos curtindo a companhia deles.

Não precisamos mais das palavras.

Só dos sentimentos bons, só os bons.

Até a próxima!

Compartilhar

Sexto livro do hamburguense Felipe Kuhn Braun tem temática litorânea

Avançar »

Dia Nacional da Literatura Infantil: Quando o autor desperta sua criança interior

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*