“Fifty shades of Grey” é literatura erótica pioneira, diz Bruna Surfistinha