• Visualizações 871

Cientistas descobrem nova doença que tem sintomas semelhantes aos da Aids

Pesquisadores avaliaram 203 pessoas entre 18 e 78 anos, na Tailândia e em Taiwan, onde se concentra a maioria dos casos desde 2004. 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Um estudo clínico liderado por pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde dos EUA encontrou na Ásia uma nova doença que ataca o sistema de defesa do corpo e tem sintomas parecidos com os da Aids.

Nesta quinta-feira, dia 23, foram publicados na edição online da revista “New England Journal of Medicine” os efeitos do trabalho. As causas do problema ainda são desconhecidas, mas parecem ser adquiridas e crônicas, e não transmitidas de pessoa para pessoa, ao contrário do vírus HIV.

Os cientistas avaliaram 203 pessoas entre 18 e 78 anos, na Tailândia e em Taiwan, onde se concentra a maioria dos casos desde 2004. Os voluntários, todos soronegativos, ou seja, sem o vírus do HIV, foram divididos em cinco grupos, entre saudáveis (48) e com diferentes tipos de infecção (155).

Houve predominância de uma bactéria chamada micobactéria não tuberculosa, parente próximo dos micro-organismos que causam tuberculose e doença pulmonar grave. Os autores, liderados por Sarah Browne e Burbelo Pedro, analisaram o sangue dos participantes e chegaram à conclusão de que essa deficiência imunológica, que favorece o aparecimento de doenças oportunistas, pode ter sido provocada por anticorpos que atacam uma molécula chamada interferon-gama, responsável por eliminar infecções.

Do total de pessoas com infecções, 88% tinham os anticorpos, chamados de “autoanticorpos”, que bloqueavam a ação dessa molécula e tornavam os indivíduos mais propensos ao ataque de bactérias, vírus, fungos e parasitas.

Anticorpos podem se desenvolver com fatores genéticos e ambientais

Pesquisadores do Sudeste Asiático relataram vários casos de micobacterioses em pessoas, que vivem no continente e também no exterior, sem problemas de imunidade conhecidos. Isso requer, na opinião dos americanos que lideraram o estudo, novas avaliações para determinar se os asiáticos estão mais predispostos a essa doença autoimune.

Como a média de idade dos participantes com essa micobactéria e outras infecções oportunistas foi de 50 anos, os cientistas especulam que esses anticorpos se desenvolvem ao longo do tempo, como resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

No futuro, após a causa do problema ser identificada, os autores dizem que será possível estabelecer um tratamento, com foco nas células que produzem os autoanticorpos. Mas já se sabe que antibióticos não são eficazes no combate à doença, e medicamentos contra o câncer que inibem a produção de anticorpos têm sido uma aposta inicial.

Informações de Bem Estar

FOTO: Divulgação / Sesa

Compartilhar

Brasil Carinhoso retira mais de 8,6 milhões de pessoas da extrema pobreza

Avançar »

Expointer atrai turistas e lota hotéis no Vale do Sinos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*