• Visualizações 1449

O maior concorrente

Todos os administradores culpam seu departamento de marketing e a equipe de vendas pelo insucesso que os gráficos mostram sem se darem conta que o maior concorrente que uma organização tem está dentro dela mesma; isto mesmo, porque querer crescer sem ter estrutura competente, a logística afina e o estoque fecha as portas junto aos clientes.

Semana passada pedi um novo notebook a um grande vendedor e recebi a promessa que estaria seguindo na semana; passou a semana e na segunda-feira, após o horário de Correios, a funcionária do setor disse que o notebook estava pronto, mas somente mandaria o novo com o comprovante de envio do antigo.

Fico pasmo porque, primeiro, não enviaram o documento de envio; segundo, porque tinha promessa de envio pelo próprio chefe do setor e, terceiro, porque este vendedor produz muito para a organização, coisa – isto mesmo – coisa que ela não sabe medir e jamais irá porque não tem interesse algum em crescer; quem quer crescer faz e não espera que façam.

Na terça-feira cobrei postura e disseram que estavam enviando; na quarta-feira, informaram que quem emite a NFE não a fez; na quinta-feira a desculpa foi que a encarregada de levar o notebook ao setor de envio não fizera seu serviço e portanto, duas semanas sem poder vender; já no final do mês, meu gerente cobra venda e digo o quê?

Entendo um pouco de administração e posso dizer que quando se poupa no contratar pessoas, a merda está feita. Sim, palavra chula e de baixo calão, para poderem entender o que funcionários despreparados e mal conduzidos fazem numa organização que insiste em poupar salários e no estoque de ferramentas essenciais ao seu crescimento. Não tem estoque de notebook na empresa, mesmo com mais de mil vendedores na rua. Esta ferramenta é frágil e o histórico de consertos comprova o que digo.

Agora, como crescer enquanto o maior concorrente somos nós mesmos? O mercado é consumidor porque não para; quando parar cave um buraco e se esconda, porque o mundo estará terminando. O volume de compras pode até diminuir com relação às oscilações do mercado, melhores ofertas, bem como pode aumentar devido às sazonalidades e ocorrências climáticas, mas existem médias e se nelas atuarmos, colocando um percentual otimista, certamente que venderemos e muito mais.

Ter chave numa porta pode ser interessante, mas deixá-la chaveada, na hora de pico, é o mesmo que parar o mecanismo; se tiverem a preocupação que o excesso pode atrapalhar que se diminua a intensidade na venda e a própria equipe de venda e que ocorra um equilíbrio entre o que se fabrica/distribui e a logística e equipe de vendas, sem jamais ter de dar desculpas aos clientes.

Todos devem crescer, mas crescer em toda a organização, com farta distribuição de dividendos, motivando todos os clientes internos a buscarem os objetivos empresariais desde que sejam reconhecidos pelo que fazem. Eis a diferença.

FOTO: reprodução

Compartilhar

Previsões de 26 de janeiro a 1° de fevereiro pelo Campo Magnético

Avançar »

Desemprego em seis regiões metropolitanas atinge menor nível desde 2002

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*

Turismo
home_central_vertical