Porto Alegre: Missa marca quatro anos do acidente da TAM em Congonhas

Familiares prestam homenagens à memória dos passageiros do vôo JJ 3054, mortos em São Paulo, em julho de 2007. Na semana passada, TAM e Anac foram responsabilizadas pela tragédia.

Felipe de Oliveira felipe@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

São Paulo: 17 de julho de 2007. Um acidente com um avião da TAM mata 199 pessoas no aeroporto de Congonhas. Era a maior tragédia da história da aviação civil brasileira.

Leia Mais

Quatro anos após acidente da TAM que matou o pai, Lucas Redecker diz que ainda espera justiça

Denunciados dois diretores da TAM e ex-presidente da Anac pelo acidente de 2007 em Congonhas

Quatro anos depois, em 2011, as feridas que ficaram nas famílias dos mortos do vôo JJ 3054, que saiu do aeroporto Salgado Filho (RS) com destino à capital paulista, seguem abertas. Neste domingo, uma missa na Catedral Metropolitana de Porto Alegre encerrou o 38° Encontro de Familiares das Vítimas.

As atividades iniciaram no sábado, dia 16, em São Paulo, marcando os quatro anos da tragédia. O encontro é promovido pela Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo TAM JJ3054 – Afavitam e foi realizado no Hotel Quality Suítes Congonhas, reunindo cerca de 200 pessoas.

Essa foi a primeira reunião do grupo após a denúncia à Justiça, pelo Ministério Público Federal – MPF de São Paulo, na semana passada, que apontou três pessoas como responsáveis pelo acidente – dois executivos da TAM e uma ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil – Anac.

Justiça aponta culpados

Para o vice-presidente da associação das vítimas, Archelau Xavier, os últimos dias foram favoráveis para a luta do grupo que busca a punição dos culpados e a construção de um memorial no local do acidente. “A verdade é a identificação dos culpados e a justiça será a punição deles. Assim, não irão ocorrer mais acidentes por negligencia e imprudência humana.”

A opinião de Xavier é parecida com a do deputado estadual gaúcho pelo PSDB, Lucas Redecker (foto). O pai dele, Júlio Redecker, deputado federal que tinha carreira política identificada com a cidade de Novo Hamburgo, foi uma das vítimas. Na semana passada, em entrevista ao Portal novohamburgo.org, Lucas comentou a decisão do MPF, avaliando como positiva, mas destacando a necessidade de punição severa aos culpados.

Na última sexta-feira, 15, o juiz federal Márcio Assad Guardia, substituto da 8ª Vara Federal Criminal de São Paulo, recebeu a denúncia do Ministério Público Federal. Na decisão, disse constatar “que a peça acusatória obedece aos requisitos previstos no artigo 41 do Código de Processo Penal, porquanto contém a descrição circunstanciada dos fatos, a qualificação dos acusados e a classificação do crime”.

Foram denunciados criminalmente Denise Abreu, então diretora da Anac; Alberto Fajerman, que era vice-presidente de operações da TAM; e Marco Aurélio Castro, então diretor de segurança de vôo da companhia aérea. Para o MPF, essas três pessoas expuseram a perigo o Airbus A320 ao não impedi-lo de pousar em Congonhas diante das condições da pista.

Com informações de R7 e G1

FOTO: reprodução / Correio do Povo

Compartilhar

Confira os resumos dos capítulos desta semana da sua novela preferida!

Avançar »

Maioria dos brasileiros acredita que Brasil está “sem condições” e realizar a Copa em 2014

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*