• Visualizações 1047

Economia informal representa 18,3% do PIB brasileiro

Especialistas acreditam que a taxa é muito alta e que, se a “economia subterrânea”, que não paga tributos, fosse reduzia, havia aumento de disponibilidade de empregos.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A economia informal no Brasil equivale a R$ 578,4 bilhões por ano, o equivalente a 18,4% do Produto Interno Bruto – PIB.

Também conhecida como economia subterrânea, a informalidade compreende toda a produção de bens e serviços não informada aos governos. A perda de arrecadação anual chega a R$ 200 bilhões.

Esse conjunto de atividades foi mensurado em um estudo inédito do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas – Ibre-FGV, encomendado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial – Etco.

Segundo o responsável pelo estudo, professor Fernando Holanda Barbosa Filho, os principais fatores que respondem pela redução da economia subterrânea no Brasil – em 2003 a taxa era de 21% – são o aumento do crescimento do PIB, a elevação do número de pessoas formalizadas no mercado de trabalho e a expansão do crédito.

Outros elementos importantes estão relacionados à modernização da economia, à maior abertura comercial, com o avanço das exportações, e à evolução de sistemas de arrecadação, como as notas fiscais eletrônicas. A redução da burocracia tributária, com a instituição do regime Super Simples, também colaborou para a formalização.

Redução da taxa é necessária para gerar mais empregos

Na avaliação de Barbosa Filho, se o Brasil crescer cerca de 7% neste ano, é possível que o Índice da Economia Subterrânea chegue a 18% do PIB no fim de 2010. A taxa, porém, ainda é alta, se comparada com a dos países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, que gira em torno de 10% do PIB.

André Franco Montoro Filho, presidente executivo do instituto Etco, diz que a economia subterrânea inibe investimentos, pois parte das empresas não encontra incentivos para ampliar suas atividades se os concorrentes não pagam tributos.

“Considerando a carga tributária, é possível estimar que há sonegação de aproximadamente R$ 200 bilhões por ano no País”, diz Montoro Filho. “Muitos empregos poderiam ser gerados, pois todo o investimento do governo federal no ano chega a R$ 30 bilhões.”

Informações de Jornal do Comércio

FOTO: reprodução / HowStuffWorks-AgB

Compartilhar

Capacidade de aprendizado influencia no uso de produtos

Avançar »

Homens: como anda seu poder de sedução?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*