• Visualizações 824

Senado aprova cota de 50 % em universidades públicas

Do total de vagas para alunos de escolas públicas, metade será destinada a estudantes oriundos de famílias com renda até um salário mínimo e meio per capita, ou seja, R$ 933.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira, dia 07, em votação simbólica, reserva de pelo menos 50% das vagas das universidades públicas e escolas técnicas federais para alunos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.

Dentro dessa reserva haverá cotas social e racial. A regra valerá por dez anos. A proposta, que tramitava há quatro anos na Casa, vai à sanção da presidente Dilma. Do total de vagas reservadas para alunos de escolas públicas, metade será destinada a estudantes oriundos de famílias com renda até um salário mínimo e meio per capita, ou seja, R$ 933.

O projeto também estabelece que essas vagas serão preenchidas, por curso e turno, por autodeclarados negros, pardos e indígenas, de acordo com sua distribuição em cada estado da Federação, de acordo com o IBGE. O único que discursou contra foi o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), para quem o projeto fere a autonomia universitária.

“Esse projeto atropela, impõe uma camisa da força a todas as universidades brasileiras, atropelando a autonomia das universidades. Muitas já adotam sistema de cotas, mas no exercício de sua autonomia. A Universidade de Campinas, por exemplo, tem cotas sociais. Estamos atropelando experiências exitosas,” afirmou o senador.

Ele foi contestado pelo senador Pedro Taques (PDT-MT), para quem autonomia universitária não pode ser confundida com soberania. “Nos Estados Unidos, até por volta de 1860, a Suprema Corte entendia que escravidão era constitucional. Hoje um negro é presidente dos Estados Unidos. O que nos falta aqui são oportunidades. A autonomia da universidade não significa soberania.”

Principal defensor de políticas afirmativas no Senado, o senador Paulo Paim (PT-RS) comemorou a aprovação do projeto: “A rejeição desse projeto significaria que pobres, negros e índios não teriam acesso às universidades. Tem gente que não quer que filho de pobre chegue à universidade, por isso tem gente que foi contra o ProUni.”

A relatora da proposta na Comissão de Constituição e Justiça – CCJ do Senado, senadora Ana Rita (PT-ES) também defendeu a adoção do sistema de cotas: “Fizemos justiça social com a maioria da população brasileira” disse ela.

Informações de O Globo

FOTO: reprodução / Veja

Compartilhar

Professores da UFRGS decidem pelo fim da greve

Avançar »

Dados apontam que aluno branco de escola privada tem nota 21% maior que negro da rede pública

5 comentários

  1. Jose Roberto Almeida de Araujo
    8 de agosto de 2012

    Devemos admitir que o Senado dessa vez demonstrou que está em sintonia com os anseios da maioria do povo brasileiro. Claro que alguns integrantes como o senador Aloysio Nunes Ferreira iria contra essa medida, pois o partido do mesmo (PSDB) sempre defendeu os interesses da minoria (rica)da população. Parabéns aos que aprovaram a cota de 50%.

    Responder
  2. Carlos Moreira
    8 de agosto de 2012

    Não será desta forma que vamos dar oportunidade ao “pobre” e “etnias” de melhorar de vida.
    Do que adianta coloca-lo na universidade sem oferecer uma boa formação no ensino médio?
    Em vez de profissionais bem formados vamos entregar pessoas “deformadas” ao mercado de trabalho que não vão conseguir boas colocações. Como exemplo basta acompanhar o exame da OAB e de Juiz.
    Acredito que 95% das escolas de ensino médio não consegue oferecer ensino de boa qualidade. Os 5% restante são provenientes de pessoas abnegados que se doam em oferecer uma oportunidade a estas pessoas que não podem pagar uma escola privada.

    Responder
  3. 9 de agosto de 2012

    Pessoal eles não podem fazer isso !!!
    Eles estão admitindo a própria incompetência (hahahah ) vão abaixar o nivel das universidades , creio sim que tem mts alunos da rede publica capacitados ,porém e aqueles que entram de arrego , ou aqueles da particular que vão deixar de entrar !!
    aqui em PE a ufpe são 40 /1 a concorrencia de medicina , um aluno que tira 8.8 não entra na universidade e um cotista que tirar 7, 7.8 vai entrar pq ?Pq é negro ? ou pq o governo é abtado por um bando de fdps que so fazem roubar a verba pública e agora acham que vão compensar fazendo essa MERDa !!!

    nossos pais pagam um ensino particular pq querem que tenhamos mais educação , e melhor ensino para ingressarmos no universidade PÚBLICA , pagam uma mensalidade durante nossa faze colegial de 1.000 e chegar na universidade vamos ter que pagar 4 , 5 , 6 mil reais por uma universidade de medicina ? Só não vão não tenho esse dinheiro todo e oque faço sento e choro , eles assim acham justo acabar com os sonhos das pessoas , pois é espero que os brasileiros se lembrem dessa palhaçada que esses porcos estão fazendo não só com o ensino público mais sim com o bem social do pais !!!!

    Responder
  4. Clara Coelho
    10 de agosto de 2012

    Meu Deus!!!! será que não entendem? O Brasil deve llutar por uma escola de qualidade e não uma entrada franca nas universidades.Política asistencialistaaaa.Tô fora!

    Responder
  5. Francisca Silva
    12 de setembro de 2012

    Acho que qualquer um que venha aqui defender o seu lado, e criticar qualquer coisa é necessário pelo menos escrever corretamente, já que está defendendo um assunto tão sério.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*