Tribunal de Contas investiga convênios da União Nacional dos Estudantes com o Governo Federal

Entre 2006 e 2010, essas entidades receberam cerca de R$ 12 milhões dos cofres públicos destinados à capacitação de estudantes e promoção de eventos culturais e esportivos.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Investigação do Ministério Público aponta indícios de irregularidades graves em convênios do governo federal com a União Nacional dos Estudantes – UNE e a União Municipal dos Estudantes Secundaristas – UMES de São Paulo.

Entre 2006 e 2010, essas entidades receberam cerca de R$ 12 milhões dos cofres públicos destinados à capacitação de estudantes e promoção de eventos culturais e esportivos. No caso da UNE, o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União – TCU Marinus Marsico identificou o uso de notas fiscais frias para comprovar gastos.

Foi detectado que parte dos recursos liberados pelo governo federal foram usados na compra de bebidas alcoólicas e outras despesas. Ao analisar as prestações de contas do convênio do Ministério da Cultura com a UNE para apoio ao projeto Atividades de Cultura e Arte da UNE, o procurador Marinus Marsico constatou gastos com a compra de cerveja, vinho, cachaça, uísque e vodca, compra de búzios, velas, celular, freezer, ventilador e tanquinho, pagamento de faturas de energia elétrica, dedetização da sede da entidade, limpeza de cisterna e impressão do jornal da UNE.

Além disso, encontrou diversas notas emitidas por bares em que há apenas a expressão despesas na descrição do gasto. No fim de maio, o procurador formalizou representação ao Tribunal de Contas da União – TCU para que a Corte investigue o uso dos recursos federais repassados à UNE e à UMES, entre 2006 e 2010.

O alvo da representação são 11 convênios, seis da UNE e cinco da UMES, celebrados com os seguintes ministérios: Cultura, Saúde, Esporte e Turismo. O valor total desses convênios é de R$ 8 milhões, destinados a projetos variados que vão desde a capacitação de estudantes de ensino médio até a realização de duas edições da Bienal de Artes, Ciência e Cultura da UNE.

As notas fiscais frias foram localizadas na prestação de contas que a UNE entregou ao Ministério da Saúde. Outro indício de irregularidade apontado pelo procurador nesse mesmo convênio é a elevação dos gastos previstos com assessoria jurídica de R$ 20 mil para R$ 200 mil, sem justificativa nos autos.

Ele chama a atenção para a demora do Ministério do Esporte em cobrar a prestação de contas da UNE no convênio de número 702422, de 2008, no valor de R$ 250 mil. A pasta comandada pelo PCdoB, mesmo partido que controla a UNE, fomentou a “implantação de atividades esportivas e debates” na 6ª Bienal de Artes, Ciência e Cultura.

Informações de O Globo

FOTO:  ilustrativa / fato

Compartilhar

Inscrições para o XIII Seminário Internacional de Educação em Novo Hamburgo estão abertas

Avançar »

Servidores da Ufrgs e UFCSPA decidem manter paralisação das atividades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*