• Visualizações 3441

Libertadores 2010: Na medida, Inter passa pelo Banfield e pega agora atual campeão da América

Vaga às quartas-de-final foi garantina com 2 a 0, gols de Alecsandro e Walter, para enfrentar o Estudiantes em duelo que relembra a final da Copa Sul-Americana de 2008.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O Colorado voltou! Depois de dias de trevas no Estádio Beira Rio e pressão sobre o técnico Jorge Fossati, o Inter está nas quartas-de-final da Libertadores.

Leia Mais

Libertadores 2010: Inter pode pegar Estudiantes de La Plata na próxima fase

A vaga foi conquistada nesta quinta-feira, em casa, diante dos argentinos do Banfield. Eram necessários dois gols sem sofrer nenhum. Nada mais, nada menos. Alecsandro e Walter fizeram o que precisava lá na frente e a zaga foi instranponível. Ah, e a torcida, é claro! Chegou a desconfiar antes do primeiro gol, mas não deixou de apoiar nem um minuto sequer.

Agora, o adversário é um velho conhecido. Atualmente, aliás, conhecido de toda a América. Trata-se do último campeão da Libertadores. Os duelos contra o Estudiantes de La Plata certamente vão reavivar a rivalidade Brasil e Argentina com um gostinho especial para o colorados. Em 2008, o Inter superou o time do craque Verón e levantou a taça da Copa Sul-Americana. Os “hermanos” tem a vantagem de decidir a vaga às semifinais em seus domínios.

O jogo

Jorge Fossati não quis saber qual era o resultado necessário. Manteve sua escalação base, apenas improvisando o zagueiro Fabiano Eller na lateral-esquerda, no lugar do suspenso Kleber. Nada de atacantes a mais.

Mesmo assim, o Inter conseguiu dominar as ações no início do jogo. Encurralou o Banfield no seu campo, adiantou a marcação e dominou todos os rebotes. Cometia erros graves: além do último passe imperfeito, alçava a bola de qualquer maneira para dentro da área, facilitando o trabalho defensivo da equipe argentina.

Aos 12 min, a forma de atacar mudou. Saiu a bola alçada e entraram os toques rápidos. Foi assim que ela chegou até o pé esquerdo de D’Alessandro. De primeira, o argentino soltou uma bomba no ângulo direito de Lucchetti, que, batido, viu a pelota explodir no travessão.

Era tudo que o Inter queria e precisava, um gol no início para inflamar a torcida na arquibancada e dar confiança aos jogadores em campo. Como ele não veio, o jeito foi não deixar a velocidade baixar. O castigo pelo gol perdido quase veio aos 19 min, com um chute colocado de Fernandez que passou perto do ângulo direito de Abbondanzieri.

Em seguida, os donos da casa voltaram ao ataque e, de tanto insistir, abriram o placar. Aos 42 min, D’Alessandro, de frente para a zaga, achou um excelente passe para Andrezinho, que chegou na bola um pouco antes do goleiro. Tempo mais do que suficiente para dar um toque lateral, preciso, na direção de Alecsandro. O centroavante concluiu para as redes. Era o gol do Inter e um sinal de que a classificação estava mais perto!

SEGUNDO TEMPO – A arquiancada ditava a nota e o Inter dançava no ritmo em campo. Voltou elétrico para a segunda etapa. Sabendo que precisava de apens mais um gol, os colorados gritavam e empurravam os jogadores para o ataque.

A gritaria valeu a pena e logo aos 11 min, D’Alessandro deixou o improvisado lateral-esquerdo Fabiano Eller livre para cruzar. Perfeito, o “zagueiro-lateral” pos a bola na cabeça de Walter, que, quase de costas, conseguiu finalizar e acabou nas redes de Lucchetti, de novo.

Com o 2 a 0, a torcida trocou a os gritos de apoio pelas vaias. Toda vez que o Banfield tocava na bola, o Beira-Rio se transformava num caldeirão. A pressão surtiu efeito e a equipe que até então não tinha sido derrotada na competição fora de casa não conseguia atacar.

Só chutes de longe e bolas paradas era o que os visitantes apresentavam de repertório. Sendo assim, Walter ainda teve a bola do jogo, quando recebeu livre, frente a frente com Lucchetti, e perdeu a chance, nas mãos do goleiro. Sem perigos ao gol de Abbondanzieri, bastava esperar o apito final do colombiano Wilmar Roldán para comemorar a classificação.

Ficha técnica:

Internacional (2): Abbondanzieri, Nei, Bolívar, Sorondo e Fabiano Eller; Sandro, Guiñazu, Andrezinho (Giuliano) e D’Alessandro (Glaydson); Walter (Everton) e Alecsandro. Técnico: Jorge Fossati.

Banfield (0): Lucchetti, Ladino, Maidana, Bustamante (Laso) e López; Quinteros (Cardaccio), Battión, Erviti e James Rodríguez; Ramírez e Fernandez. Técnico: Julio Falcioni.

Gols: Alecsandro, aos 42 minutos do primeiro tempo; Walter, aos 12 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Nei, D’Alessandro, Walter, Guiñazu (Inter); Bustamante (Banfield). Cartão vermelho: Rodríguez (Banfield).

Estádio: Beira-Rio. Data: 06/05/2010. Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia). Auxiliares: Wilson Berrio (Colômbia) e Javier Camargo (Colômbia).

FOTO: reprodução / internacional.com.br

Compartilhar

Ranking mundial de clubes: Inter sobe, Grêmio desce

Avançar »

Copa do Mundo 2010: No feijão com arroz, agora é rumo à África do Sul

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*