• Visualizações 835

OAS descarta negociar gestão da Arena com o Grêmio

Clube tenta solução para reduzir valor gasto com a entrada de sócios no estádio. Uma das soluções cogitadas é aumentar o tempo de parceria, fixado por contrato em 20 anos. Com isso, valor dos repasses poderia ser diminuído.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A construtora OAS descartou, ontem, negociar a gestão da Arena, uma das hipóteses aventadas para livrar o Grêmio dos altos custos assumidos com seu novo estádio.

Agora, resta como alternativa ao clube a redução do aluguel das áreas destinadas aos seus associados, que hoje é de R$ 41 milhões anuais. Uma das soluções cogitadas é aumentar o tempo de parceria, fixado por contrato em 20 anos. Com isso, o valor dos repasses poderia ser diminuído.

”O projeto de migração de associados para anel superior foi proposto pelo Grêmio. Não consideramos a ideia de passar a gestão. Esta especulação surgiu apenas na mídia. Aceitamos apenas debater cláusulas que tratem de questões futuras. Acho que não cabe tratar de questões relativas ao investimento que fizemos para viabilizar a obra,” disse Carlos Eduardo Barreto, diretor da OAS/Arenas, ao final de uma reunião de quatro horas no Olímpico.

Conforme Barreto, a redução do valor do aluguel não foi tratada. Ele deixou claro que todos os aditivos do contrato relativos ao valor que seria gasto para a migração dos associados passaram pelo Conselho Deliberativo do Grêmio, versão não confirmada pelo clube:

“Alguns documentos posteriores ao contrato não passaram pelo Conselho, mas foi uma questão de avaliação do próprio Conselho e do departamento jurídico,” disse o representante do Grêmio no encontro, o vice-presidente Adalberto Preis.

O diretor da empreiteira compreende os gastos do Grêmio com a montagem de um grande time, mas pede que sejam respeitas as condições originais do negócio.

“O Grêmio conhece o desafio e a responsabilidade da OAS para construir a Arena. Temos obrigação com os bancos que nos financiaram e com parceiros que investiram no projeto,” afirmou Barreto.

Revisão de cláusulas

Disposto a manter uma boa relação com o clube, ele não descartou de todo a possibilidade de que sejam revistas algumas cláusulas do contrato. E expressou sua convicção de um acordo rápido.

Adalberto Preis assegurou que assumir a gestão “não é uma probabilidade” e o tema sequer entrou na pauta de discussões. Como alguns dos jogos previstos para a Arena em janeiro e fevereiro não foram realizados, a Arena Porto-Alegrense, gestora do estádio, poderia aceitar reduzir o valor relativo aos dois meses devido pelo Grêmio. Por enquanto, foi paga apenas parte da conta, que hoje é de R$ 6,8 milhões.

Apesar da dificuldade financeira, Preis confia em que o clube siga com sua vida normal.

“ Estamos enfrentando um estrangulamento circunstancial e provisório. Mas não podemos colocar as coisas de forma tão fatalista. O Grêmio resistirá sempre. Mas precisa retomar seu fluxo financeiro normal,” alertou Preis, para quem criticar as gestões que assinaram o contrato “é jogar pedras no passado”.

Informações de Zero Hora

FOTO: reprodução / Zero Hora

Compartilhar

Inter utilizará Estádio do Vale, em Novo Hamburgo

Avançar »

Inter vence o Canoas em estreia na Taça Farroupilha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*