• Visualizações 786

Novas contratações fazem a diferença para vitória do Grêmio no Engenhão

Barcos, André Santos e Vargas marcaram os gols da equipe. Tricolor goleou o Fluminense por 3 a 0 e agora lidera o grupo 8. A próxima partida pela Libertadores acontece no dia 5 de março, em Porto Alegre, contra o Caracas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O argentino Hernán Barcos, que participou dos três gols na partida entre Grêmio e Fluminense nesta quarta-feira, fez o time ressurgir na Libertadores.  Na melhor apresentação de 2013, o Grêmio conseguiu uma goleada de alívio no estádio Engenhão, no Rio de Janeiro. Oposto ao time que perdeu para o Huachipato na semana passada, o Tricolor gaúcho se impôs no campo dos cariocas. Resultado: vitória por 3 a 0 o duelo pela segunda rodada da Libertadores.

Nos cinco primeiros minutos de jogo, o Grêmio tomou a iniciativa e foi à frente. O Fluminense passou a tocar a bola e, com o entrosamento de dois anos, obrigou o tricolor a recuar e esperar pelos contra-ataques.
E o Grêmio de Barcos já havia equilibrado as ações em campo quando, aos 32 minutos do primeiro tempo, cobrou um escanteio fechado e Cavalieri atirou a bola para fora. Elano foi para a nova cobrança e, dessa vez, encontrou Barcos disputando o lance de cabeça com Bruno – menor que ele. Cavalieri sequer viu a bola passando para o gol. Luxemburgo aplaudiu. O banco de reservas todo se levantou para aplaudi-lo. E Barcos ergueu a mão para o céu, homenageando o cunhado morto nesta semana, sob a ovação dos cerca de dois mil gremistas presentes ao Engenhão.
No segundo tempo, com Deco em campo, o Fluminense jogou-se para a frente. Era tudo o que o Grêmio queria. Logo aos nove minutos, um contra-ataque. O chileno Vargas deu um belo passe para Barcos. O argentino ajeitou e bateu, Cavalieri espalmou bem onde estava André Santos, que desviou para o gol e deu tempo para Cavalieri, deitado, ver a bola rolar em câmera lenta para dentro do gol.
Aos 23, Barcos passou para Vargas bater cruzado e vencer Cavalieri. A vitória se transformou em goleada. O chileno fez o seu primeiro gol gremista e, ato contínuo, alguns torcedores cariocas começaram a deixar o estádio – restando ainda 22 minutos para o final. A partir daí, o Engenhão já havia se transformado no Olímpico (ou na Arena) e qualquer troca de passes tinha como trilha sonora o “olé” da torcida gremista.
No dia 5 de março, o Grêmio receberá o vice-líder, Caracas, em Porto Alegre. E domingo tem Gre-Nal, possivelmente com um Grêmio quase todo titular.

Sobre Hernán Barcos:

A semana foi tumultuada para o argentino. Perdeu o cunhado em um acidente de trânsito, precisou ir à Argentina tratar do funeral, enquanto a sua irmã estava hospitalizada, e conseguiu chegar ao Rio 26 horas antes da partida. Virou exemplo de atitude e de superação para todo o grupo. Recebeu o carinho dos demais jogadores e, da torcida, ganhou homenagens no Engenhão, com gremistas vestidos com tapa-olho, e o sobrenome de Imortal. Barcos Imortal.

Informações de Correio do Povo / Zero Hora

FOTO:  Lucas Uebel / Correio do Povo

Compartilhar

Fifa aprova tecnologia na Copa das Confederações e em 2014

Avançar »

Corinthians jogará sem torcida na Libertadores

Um comentário

  1. carregamento
    28 de fevereiro de 2013

    gremio

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*