Alvício Luiz Klaser Neto

en_alvicio120Neste ano Alvício terá um duplo desafio, chefiar a Secretaria do Meio-Ambiente e dirigir o Planejamento Urbano

O arquiteto Alvício Luiz Klaser Neto terá em 2007 um dos anos mais especiais de sua vida. Ao menos, no que dirá respeito à sua vida pública e profissional. Ele que já era Diretor de Planejamento Urbano, passou a ser, em janeiro deste ano, também o Secretário do Meio-Ambiente de Novo Hamburgo. Não preocupando-se apenas com a atual gestão, Alvício nos conclama a pensar em “como enxergaremos Novo Hamburgo com o passar do tempo?”.

Em entrevista concedida ao Portal novohamburgo.org, o Secretário conversa sobre as novidades que implantará e sobre assuntos delicados como a poluição do Rio dos Sinos, revitalização do Calçadão e a polêmica avenida no Parcão.

novohamburgo.org – Neste ano além da Secretaria do Meio-Ambiente, o senhor assumirá como Diretor de Planejamento Urbano. Qual sua principal meta?
Alvício Luiz Klaser Neto – Com a união destes dois setores, trabalharemos para criar o crescimento da cidade, gerando empregos, mas nos preocupando com a proteção ambiental. Isso já era feito, mas agora será nossa principal meta, pois o diálogo entre a Secretaria do Meio-Ambiente e a Diretoria de Planejamento Urbano ficou muito facilitado. Estamos falando a mesmo língua. A sugestão de unir o planejamento urbano com o meio-ambiente foi do próprio prefeito Jair (Foscarini). Vamos buscar objetivos que contemplem o crescimento em harmonia para a sociedade.

Sobre a avenida que atravessa o parque, isso está em nossos planos

novohamburgo.org – Quais novidades podem ser esperadas?
Alvício – A principal novidade é que as obras serão analisadas e debatidas por uma equipe formada por técnicos especializados, biólogos, engenheiros agrônomos, arquitetos planejadores. Esses profissionais serão indispensáveis para nosso novo projeto, pois as obras e o Plano Diretor será sempre estudado por uma comissão formada por estes profissionais. E isto, além de incrementar a qualidade de nossos trabalhos, não gerará nenhum novo gasto para a Prefeitura, pois utilizaremos profissionais já existentes no corpo de funcionários atual.

novohamburgo.org – Recentemente, vimos assustados uma mortandade sem precedentes de peixes no nosso Rio dos Sinos. Esse tema é uma prioridade para o senhor?
Alvício – A preocupação acerca da poluição é algo novo e recente. Sem dúvidas a poluição do Rio dos Sinos nos preocupa, e muito. Mas não é algo que a Secretaria ou a Prefeitura devam, e possam combater sozinhas. Nós precisamos encontrar a raiz do problema, e através do Plano Diretor reduzir e até eliminar a necessidade de se despejar dejetos no rio. Mas as ações imediatas devem ser tomadas em parceria com a Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental). As ações punitivas devem ser estaduais.

novohamburgo.org – Como o senhor vê a questão da revitalização do calçadão?
Alvício – Primeiro é necessário formalizar uma comissão dos comerciantes do calçadão. Nós não temos como falar com 50 ou 100 pessoas ao mesmo tempo, não existe uma estrutura física para isso na Secretaria. Precisamos analisar junto com os comerciantes o que seria o ideal para eles, e o que é viável para a prefeitura. Desta maneira, vamos trocando informações. Este é um projeto que pode ser contemplado já em 2007. Vai depender do diálogo que existir entre os interessados e a Secretaria.

novohamburgo.org – Existe algum outro projeto para o centro de Novo Hamburgo?
Alvício – Algo que já está certo é a construção do Receptivo Turístico para incrementar o centro da cidade. Esta é a principal e a mais aguardada obra. O Receptivo Turístico é um projeto indispensável para nossas pretensões de aumentar o número de visitantes na cidade. Ele contará com auditório, salas para associações, café, um posto avançado da Feevale. E também estamos estudando projetos para revitalizar o prédio da Semec II, o próprio Calçadão, como foi comentado antes. E tudo isso sem dúvidas contribuirá, e muito. Se eu faço alguma coisa diferente, o mínimo que pode acontecer é alguém vir para olhar.

novohamburgo.org – Quais são os planos para o Parcão? Será aberta a tão comentada Avenida Florença?
Alvício – Para o Parcão, nosso maior patrimônio verde em território urbano, está planejada uma reforma. Nas instalações, estão previstas a abertura de trilhas, tudo para tornar o Parcão mais atrativo para a comunidade. Sobre a avenida que atravessa o parque, isso está em nossos planos. Mas antes, o assunto será amplamente debatido com a população.

novohamburgo.org – Como está a sua relação com o NovoShopping?
Alvício – Eu sou um arquiteto que acompanha o NovoShopping há anos. Eu peguei o Shopping quando ele estava no fundo do poço. Fiz vários projetos para lá: a vinda das Lojas Americanas, todas aquelas escadas internas, forro, banheiros. Tive uma briga enorme para fazer lá um banheiro de primeiro mundo. Eu acredito em coisas bem feitas. O Receptivo também contará com banheiros de qualidade. Recebi uma ligação do Renato (Machado, gerente do NovoShopping) e eles têm a intenção de reformar toda a praça da frente do Shopping.

novohamburgo.org – O senhor acha que existe alguma dificuldade para se estabelecer parcerias público-privadas, ou as instituições privadas não conhecem o caminho de como ajudar?
Alvício – Basta ter o diálogo. Quando se tem uma administração que exerce isso, isso acontece. E, por exemplo, é o que está acontecendo hoje. Já existem parcerias feitas, e te dou um exemplo: nós tínhamos que implantar uma UBS (Unidade Básica de Saúde) em Lomba Grande. Conversamos com um investidor que queria fazer na mesma área um novo loteamento. Normalmente, em novos loteamentos, os terrenos destinados às obras da prefeitura são os mais afastados, com a pior localização. Se fizéssemos a obra pretendida em um local muito afastado, acabaríamos prejudicando quem precisa do serviço. Propusemos ao empresário que trocasse os terrenos inicialmente destinados às administrações, por um melhor localizado, na entrada do loteamento. Mostramos para ele, que o loteamento seria muito mais valorizado, se já na entrada tivesse uma obra de interesse e necessidade coletiva. Ele entendeu isso como sendo positivo, e todos lucraram. Então esse é um exemplo de parceria público-privada, em que a população, a principal interessada, foi beneficiada.
Outro exemplo é o de projetos antigos que travam o crescimento de hoje. Ruas que estavam previstas para, em 1969 serem construídas, ainda hoje podem impedir que uma empresa aumente seu espaço físico. Em administrações anteriores, empresas já foram embora de Novo Hamburgo por esse motivo: não puderam crescer pois, em seu terreno passaria uma rua, conforme um projeto com mais de trinta anos. Então, para mim, isso também é parceria público-privada, fazer o Plano Diretor todos os dias.

novohamburgo.org – O que o senhor gostaria de deixar como mensagem final para a comunidade de Novo Hamburgo?
Alvício – Estamos planejando Novo Hamburgo. Estamos enxergando Novo Hamburgo além do que ela é atualmente. O que ela é atualmente é uma preocupação nossa do dia-a-dia, mas já estamos pensando Novo Hamburgo a longo prazo. No ano de 2007 serão implementadas várias obras que foram planejadas e estudadas ao longo de todo o ano de 2006. Eu estou assumindo a Diretoria de Planejamento Urbano a partir do início de 2007, e se vocês me perguntarem como está tudo, eu direi: “nem olhem, por enquanto”. Queiram saber como estará tudo daqui um tempo, quando colocarmos em prática nossos projetos e a nossa maneira de trabalhar. E para isso, é fundamental a participação de vocês da imprensa, que certamente estarão conosco noticiando cada nova obra e cada nova conquista do nosso município. E, sem dúvidas, a principal participação precisa ser a da população, que deve cobrar da prefeitura. Nós estamos atentos, mas não temos como saber quais são todos os problemas de nosso município, sem o auxílio dos cidadãos. Nós podemos dar a solução, a partir do momento que um problema chega até nós. Então, não esperem que encontremos o problema, conversem conosco e nos tragam seus anseios e necessidades.

Turismo
home_central_vertical