• Visualizações 122

Imprensa internacional repercute relatório da CPI da Covid

Antes mesmo da leitura do relatório da CPI da Covid, no Senado, o texto que será votado pelos parlamentares nesta quarta-feira já repercutiu internacionalmente. O documento foi tema de reportagens nos maiores jornais do mundo, com direito a destaque na página principal das publicações.

Na terça-feira, o britânico The Guardian estampou foto do presidente Jair Bolsonaro no alto da página. A reportagem ressaltou que o relatório deve indiciar o presidente por uma série de crimes.

O The Guardian descreveu a minuta do relatório —  que foi antecipado pela imprensa brasileira —  como um “retrato devastador da negligência, incompetência e negação anticientífica”, que foi a resposta do governo Bolsonaro à pandemia.

O periódico britânico também ressaltou que o documento produzido pelo Senado sustenta que Bolsonaro agiu de forma “deliberada e consciente” para adiar a compra de vacinas e, com isso, condenou desnecessariamente milhares de brasileiros à morte prematura.

Contra máscaras e vacinas

O New York Times destacou que o relatório conclui que Bolsonaro deixou propositalmente o coronavírus matar os brasileiros, em uma tentativa fracassada de imunidade coletiva.

O jornal americano também lembrou que é incerto se o relatório resultará em acusações criminais contra “um líder que se recusou a levar a sério a pandemia”.

Nesta quarta-feira, a emissora BBC destacou as mudanças recentes na lista de acusações contra o presidente e também ressaltou que não há garantia de que a investigação de seis meses levará a um processo criminal.

“O presidente Bolsonaro considerou a investigação do Congresso como politicamente motivada. Ele frequentemente se posicionou contra lockdowns, máscaras e vacinas”, ressalta a reportagem.

A versão mais recente recomenda o indiciamento de Bolsonaro por 10 crimes. Foram mantidas acusações por charlatanismo, prevaricação e crime de epidemia, dentre outras, mas o documento final vai excluir acusações de genocídio e homicídio doloso, quando há intenção de matar, por demora na compra de vacinas contra o novo coronavírus.

Informações: O Globo

Foto: TV Senado

Compartilhar

Cirurgia para diabetes existe e é semelhante à bariátrica

Avançar »

Inaugurada EMEI Quero-Quero no bairro Operário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*