• Visualizações 190

Núcleo das Mulheres Empreendedoras da CDL-NH é tema de pesquisa acadêmica

O Núcleo das Mulheres Empreendedoras (NME) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Novo Hamburgo (CDL-NH) foi o local escolhido pela pesquisadora Keila Rosa Ferreira para um estudo vin  culado à Universidade Feevale. Nesse trabalho, o NME foi minuciosamente avaliado e tem sua importância destacada, servindo de modelo ao empreendedorismo feminino.

Foram dois anos de pesquisa que deram corpo ao trabalho “A colaboração como alternativa para minimizar as barreiras encontradas pelas mulheres empreendedoras: Um estudo de caso do Núcleo da Mulher Empreendedora do CDL-NH”. A autora é mestre em Administração, pesquisadora e tutora universitária.

Apresentado recentemente em evento do NME para cerca de 60 mulheres, o estudo identificou características peculiares ao empreendedorismo feminino presentes no grupo – tais como  ajuda mútua, apoio, incentivo, troca de experiências, suporte emocional – que minimizam o impacto das barreiras para empreender no Vale do Sinos. “Também identificamos que as ações do grupo podem ser divulgadas, de diversas formas, para incentivar outras mulheres a empreender”, destaca Keila.

A autora da pesquisa aponta dois pilares de sustentação para o sucesso do NME, que são a motivação das empresárias participantes e o reconhecimento desse trabalho por parte da diretoria da CDL-NH, que pode ser observado pela expressão deste grupo na entidade – que já conquistou uma diretoria e uma galeria de fotos das embaixadoras e coordenadoras.

Resultados – A partir da coleta de dados e entrevistas com as empresárias, o estudo sugere a implementação de algumas ações para gerar maior engajamento de novos membros, como uma ação estruturada de boas-vindas. Vídeo institucional e outros materiais que gerem vínculo imediato também são cogitados, de forma que fortaleça o suporte oferecido às novas participantes.

Principais barreiras ao empreendedorismo feminino

Na fase da pesquisa teórica, foram identificadas mais de 60 barreiras para o empreendedorismo feminino. Essas dificuldades foram agrupadas em oito segmentos diferentes: família, financeiro, habilidade/comportamento, igualdade de gênero, legislação, políticas públicas, suporte das instituições e tecnologia.

“A pesquisa com o NME identificou que principal barreira enfrentada pelas mulheres entrevistadas é o networking (que integra a dimensão habilidade/comportamento). Talvez seja o caso de pesquisar com as outras mulheres que fazem parte do NME para verificar quais são as barreiras apontadas por elas e, a partir destes dados, fazer um planejamento de ações que poder minimizá-las”, pontua a pesquisadora.

“Ainda, para superar a barreira do networking, além de tudo o que já fazem, que já é bastante, seria importante criar um modelo de mentoria entre as empresárias mais experientes e as menos experientes”, indica Keila. “Esta solução foi apontada em um dos estudos descritos na pesquisa, e é uma maneira de capacitar as novas participantes com a experiência e relatos de quem já está no mercado há mais tempo”, conclui.

A experiência do NME, na visão da pesquisadora, é um modelo que precisa ser compartilhado seja em palestras, treinamentos ou de outras formas, pois pode servir como inspiração para outros CDLs. “É um momento de negócios e, ao mesmo tempo, de descontração para as empresárias”, sustenta. “É neste momento, enquanto fazem suas conexões, que elas têm um tempo para descontrair e fazer networking”, avalia.

“Estas ações promovem um sentimento de realização o que as deixa mais dispostas para superar as adversidades e seguir no propósito de empreender e superar os problemas e barreiras que possam surgir”, finaliza Keila.

Para a coordenadora do NME, Raquel Bomm Tomm, participar deste estudo foi uma grande oportunidade de identificar barreiras ao empreendedorismo feminino e, ao mesmo tempo, encontrar formas de solucioná-las. “O trabalho é de grande valia e as mulheres que assistiram à apresentação estão encantadas com o resultado. Sem dúvida, é uma ajuda valiosa para melhorarmos ainda mais nosso desempenho”, observa.

A Dra. Maria Cristina Bohnenberger, professora e pesquisadora do Mestrado em Administração, orientadora da pesquisa de Keila, destaca a importância da pesquisa para o desenvolvimento do empreendedorismo no Vale do Sinos. “Esta pesquisa, especificamente, demonstra a força de um trabalho coletivo que é construído com base na colaboração. Além disto, é preciso reforçar a importância da parceria entre a Universidade Feevale e o NME/CDL, gerando benefícios mútuos que refletem no desenvolvimento da região”, enfatiza.

Foto: divulgação/CDL-NH

Compartilhar

Famílias de baixa renda receberão R$ 400 por ano como devolução do ICMS

Avançar »

PF faz operação contra falsificação de cigarros e contrabando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*