• Visualizações 426

Comprava bicicletas na capital e pedalava até aqui para vendê-las

Por Jorge Trenz

Guilherme Kley é alguém que se fez por si próprio. Aos 17 anos concluiu que estava na hora de trabalhar por conta própria e ali começou, em 1957, a orquestrar os movimentos que resultariam na empresa conhecida hoje pelo nome de BurgoBrás. Aos 84 anos, seu Guilherme lembra com clareza o passo a passo da construção de uma marca que conquistou o respeito e a parceria de outras muito maiores, como Brastemp e Consul. Mas tudo começou mesmo com as bicicletas.

Aos 17 anos ele virou empresário. “Eu fiz um curso no Senai e logo depois fui trabalhar numa firma de máquinas para calçados. Sabia trabalhar com fresa, torno, plaina. Fiquei 1 ano por lá e comecei a achar que poderia fazer mais, apesar de ser uma empresa sólida, boa”, diz.

Juntou o dinheirinho que tinha, fez um acordo com a firma e reuniu o capital necessário para abrir uma pequena oficina de bicicletas, numa peça bem humilde, para não pagar muito aluguel. Passado algum tempo, associou-se ao cunhado e ao irmão dele para fundar a “Casa das Bicicletas”.

“Nessa época eu tinha 18 anos e, acredite, não existia fábrica de bicicletas no Brasil. Eram todas importadas. Eu ia a Porto Alegre comprá-las”, lembra. Comprava a bicicleta, tirava da caixa de papelão e montava ali na rua mesmo, na frente da loja. Voltava pedalando até Novo Hamburgo e trazia, ainda, alguns pneus presos no corpo.

Chegando aqui, lavava a bicicleta, lubrificava e regulava para, no final da tarde, o freguês vir buscá-la na loja. Só vendia à vista. Tempos depois seu Guilherme acabou comprando a parte da sociedade do cunhado e do irmão dele. “Tinha bastante serviço de reparos e as fotos das bicicletas para vender. Os clientes começaram a vir e escolher, entre os três modelos das fotos, qual queriam comprar.”

Eduardo e Fábio, juntos pela continuidade do sonho do seu Guilherme.

Seu Guilherme criou, então, um expositor de madeira para deixar em frente a duas fábricas de calçados, todos as manhãs, com uma bicicleta e o preço. A partir daí, disse, “passou a vender em prestação.” Com experiência nos negócios, resolveu ampliar os serviços e passou a fazer pequenos consertos em batedeiras e liquidificadores. Ofereceu para algumas lojas de eletrodomésticos da cidade e o negócio deu tão certo que lhe ofereceram a manutenção de outros eletrodomésticos, como geladeira e ar condicionado. Em 1973, virou autorizado Brastemp e depois Cônsul.

Em 1992 foi criada a marca BurgoBrás, para desassociar a empresa do nome do seu Guilherme Kley. Para o futuro, os filhos Eduardo e Fábio projetam o avanço na área da engenharia, com projetos comerciais e industriais. O objetivo é manter a tradição por assistência técnica de eletrodomésticos e refrigeração e crescer na área da engenharia.

Quero saber se o bairro Hamburgo Velho é um bom lugar para empreender. Pai e filhos concordam que a área tem características Ímpares: valorização do patrimônio histórico, a beleza do bairro, o comércio, a tranquilidade. O prédio onde está a sede da BurgoBrás foi construído em 1871.

Compartilhar

Trabalhadores (as) da Zenglein conquistam acordo que garante livre acesso ao banheiro

Avançar »

Covid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*