• Visualizações 120

Senhor do tempo e do vento

Por don Arabí Rodrigues

Senhor do tempo e do vento, aqui, me tens contristado;

o TELMO, Irmão estimado, agarrou meu sentimento

e aproveitando o momento se foi pra Estância do Céu.

Joelho em terra, sem chapéu, uma prece d’improviso:

Telmo de Lima Freitas
    1933/2021

receba-o no paraíso, meu adeus, neste te-déum.

Senhor, este outro verso, que faço, como campeiro;

tem um pedido caseiro, ao condão do universo,

guardei comigo, imerso na alma de pajador, dê ao Telmo, por favor:

um cepo, um fogo de chão, uma gaita de botão e recebas, como cantor.

Poeta, filho do pago do Rio Grande pêlo duro.

Deixou aqui, pro futuro, exemplos de “índio vago”,

servia, depois dum trago, acultura da querência,

com denodo e com decência, guitarra, voz e cantiga,

co’a falta, que nos obriga sentir saudade, na ausência.

Em nome do Pai e do Filho, em honra à tua memória.

TELMO, Irmão a tua história, tem começo, meio e brilho.

O teu nome, um estribilho, que nos deixa como herança;

este dom, uma lembrança: de tudo que aqui ocorre.

Por que um poeta, não morre, renasce, à cada andança.

NN. casa do rio, fevereiro 18/21

Foto: musicatradionalista/site

Compartilhar

Confira os serviços municipais que abrem e fecham no feriado de Ascensão do Senhor

Avançar »

Butantan entrega mais 1 milhão de doses de vacinas contra covid-19

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*