• Visualizações 654

Operação Canudos | Mais de 60 empresas foram envolvidas nas fraudes

Parte das empresas eram companhias de fachada, criadas pelos escritórios contábeis apenas para fazer a fraude, outras acabaram sendo vítimas da situação. Segundo superintendente da SRTE, esse tipo de fraude não é novidade.

Da Redação (redacao@novohamburgo.org) (Siga no Twitter)

A Polícia Federal e a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego – SRTE desarticularam dois escritórios de contabilidade responsáveis por cometer fraudes relativas à emissão de seguro desemprego.

Realizada na manhã desta terça, dia 1°, a Operação Canudos expediu seis mandados de prisão e três de busca e apreensão em Novo Hamburgo. Baseando-se em dados falsos, os escritórios incluíam contratações e demissões no sistema Caged do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, gerando o pagamento do benefício.

A investigação que levou ao desmantelamento da fraude começou em dezembro do ano passado. “Começamos a cruzar informações do Caged, da Rais e do seguro-desemprego e também recebemos uma série de denúncias”, destaca José Carlos Panatto, chefe da seção de fiscalização da SRTE.

O dirigente ressalta que a operação, até o momento, só constatou as movimentações realizadas entre 2012 e 2013. Nesse período, foram desviados R$ 3 milhões dos cofres públicos. Os escritórios, porém, realizavam o esquema desde 2007. Por isso, o rombo financeiro deve ser ainda maior.

Ao todo, mais de 60 empresas foram envolvidas na situação. Parte delas eram companhias de fachada, criadas pelos escritórios contábeis apenas para fazer a fraude, outras acabaram sendo vítimas da situação.

“Era uma verdadeira fábrica de desempregados. Nesse período, constamos a emissão de mais de 600 benefícios”, aponta o delegado da PF Alexandre Isbarrola. Os beneficiários vão responder por crime de estelionato, já as consultorias por estelionato e organização criminosa.

Em um dos casos verificados pela PF e a SRTE, um pintor de obra havia sido cadastrado no Caged como empregado de uma fábrica de sorvetes. Sem nunca ter trabalhado no local, foi demitido sem justa causa, o que motivou quatro pagamentos de R$ 1,2 mil de seguro-desemprego. Como pagamento, o escritório que articulou a ação recebeu uma parcela do benefício. “O pagamento variava. Às vezes o beneficiário pagava mais parcelas”, ressalta Isbarrola.

O superintendente da SRTE lembra que esse tipo de fraude não é novidade no Estado. Em 2006, o órgão constatou esquema semelhante conduzido por um escritório de contabilidade localizado em Viamão.

Panatto, porém, lembra que a identificação de movimentações estranhas fica cada vez mais fácil. Nesse sentido, o e-social, plataforma que unificará o envio de informações pelo empregador, pode ser um aliado, segundo o dirigente. “Não tem como ficar 100% imune às fraudes. Mas o e-social vai ajudar a reduzi-las”, acredita.

Informações de jcrs.uol

FOTO: reprodução / G1

Compartilhar

FEIPET 2014 divulga programação de palestras

Avançar »

Guarda Municipal realiza sensibilização para criação da Balada Segura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*