• Visualizações 160

Identificados 21 casos de pessoas residentes na capital gaúcha com a nova cepa da Covid

Porto Alegre tem transmissão comunitária da variante do coronavírus.

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde do Rio Grande Sul e a Diretoria de Vigilância em Saúde de Porto Alegre declararam transmissão comunitária em Porto Alegre da Variante de Atenção P.1. do SARS-CoV2 em alerta divulgado na terça-feira (2). Mais conhecida como “variante de Manaus”, por ter sido detectada pela primeira vez na cidade, esta nova cepa do vírus é mais transmissível e pode ser responsável por uma carga viral maior nos pacientes.

Foram identificados 21 casos de pessoas residentes em Porto Alegre com a nova variante. Em 13 dos 21 casos não foi possível estabelecer contato com pessoas que tenham viajado para localidades específicas – caracterizando a transmissão comunitária.

Em 12 de fevereiro, a confirmação do primeiro caso da variante de Manaus no RS colocou o Estado em alerta. O idoso de 88 anos que residia em Gramado faleceu por complicações causadas pela doença. Também em meados de fevereiro, o diretor de Atenção Hospitalar e Urgências da SMS, João Marcelo Lopes Fonseca, alertava para a presença de novas cepas no Estado.

A transmissão é considerada comunitária quando não é possível rastrear a origem da infecção, indicando que o vírus já circula entre as pessoas daquela região, definindo a transmissão comunitária no município de Porto Alegre.

Em cinco casos, a investigação preliminar identificou relação com pessoas vindas de locais com circulação de P.1. Os demais três casos, de moradores de Porto Alegre, seguem em investigação quanto à fonte de infecção. Os dados da pesquisa também relatam outros quatro exames com sequenciamento genômicos para P.1 que permanecem em investigação.

A identificação ocorreu em parceria com o Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Os dados são oriundos de um projeto de pesquisa com objetivo de descrever o perfil genômico de amostras sequenciadas pelo laboratório da instituição.

Porto Alegre e o Rio Grande do Sul atravessam o pior momento desde o início da pandemia. Na terça-feira (2), o RS atingiu 100% de lotação em leitos de UTI. Na Capital, vários hospitais registram superlotação. A Secretaria Estadual da Saúde (SES) acionou o último nível de emergência do plano de combate à crise e com isso podem ser requisitadas estruturas hospitalares, incluindo privados. 

Compartilhar

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Avançar »

Presidente da Unimed: “estamos pedindo encarecidamente” que se inscrevam para trabalhar na linha covid

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*