São Paulo não é aqui!

A distância entre o Rio Grande do Sul e São Paulo é pequena, mesmo se for via rodoviária, mas as diferenças são grandes e porque não dizer enormes?

Até semana passada o preço do litro do álcool combustível estava – aqui – em R$ 1,899 e isto em todos os postos de gasolina (cartel?). Querendo menor preço bastava ir a Novo Hamburgo e outras cidades mais afastadas da distribuidora que fica em Canoas, que compensava encher o tanque.

Estive na Feicon (feira da construção civil) nos dias 25 e 26 de março e fiquei abismado com os preços praticados junto aos postos de combustíveis de São Paulo. Encontrei o litro do álcool entre R$ 1,12 e R$ 1,32, dando a média de R$ 1,22 e isto em postos de bandeira conhecida. A diferença entre lá e o Rio Grande do Sul (será que é somente a ganância do estado ao estipular valor de margem elevado para arrecadar o ICMS?) estava em R$ 0,68 por litro. Já a gasolina estava entre R$ 2,22 e R$ 2,44 o litro, sendo que a diferença é menor, mas mesmo assim, muito elevada para os padrões do nosso Rio Grande do Sul.

O que acontece? Onde está o furo? Por que esta diferença enorme? Será ganância dos proprietários ou das distribuidoras? Dizem que é o frete, mas um caminhão tanque transporta 25.000 litros e cobrar 0,68 por litro do álcool, vou correndo comprar uns caminhões e logo fico rico, trazendo álcool para o estado.

Afinal, quando deixaremos de ser explorados?

Mais um exemplo: ao embarcar para Porto Alegre, recebi o jornal Metro e nele consta uma página inteira com preços de automóveis Línea (FIAT) que deixa qualquer um com vontade de comprar. A Sinal Veículos, concessionária Fiat em São Paulo (uma delas), oferece três modelos do Línea (1.9 16V Dualogic 4P 2009, 1.9 Absolute 4P 2009 e o 1.4 16VT-Jet 4P 2009) com preços inferiores aos daqui. A diferença mínima é de R$ 3.000,00 (eu liguei a uma concessionária e pequei os preços frente aos acessórios que os modelos de lá tem, sendo que alguns dos da Sinal possuem mais acessórios).

Se contar que a Gabardo, que transporta carros de São Paulo para o Rio Grande do Sul, cobra até R$ 1.000,00. Por que esta diferença? A rede Fiat é a mesma em todo o Brasil; tem os mesmos padrões e preços, mas a margem é muito diferente aqui no Vale do Rio dos Sinos.

Ou aqui não tem crise ou nem estão aí. O que interessa é vender a qualquer preço, porque se olharmos os anúncios de março veremos que o Fiat Mille, aqui no Vale, variou de preços entre R$ 20.990,00 a R$ 21.490,00, ou seja, o desconto do IPI foi oscilante?

São Paulo não é aqui mesmo, infelizmente, mas lá as coisas estão mudando. Se eu pedir nota fiscal, posso trocá-la por desconto no IPVA ou IPTU. Aqui, ao contrário, o IPVA é um dos mais caros do Brasil e o IPTU tem aumento superior a inflação.

Tem coisas caras em São Paulo, mas nem vou comentar o que é ir ao Brás ou na 25 de Março. Fica na vontade, porque tem produtos bons, baratos e com nota fiscal.

Oscar Schild, vendedor, gerente de vendas e escritor.

Compartilhar

Crise? Que Crise?

Avançar »

Dia da Mulher

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*