Tragédia no Rio: Defesa Civil confirma quase 500 mortes em pior desastre ambiental da história

Nova quantidade de mortos em função de desabamentos de encostas causados pelas fortes chuvas, porém, é divulgada com freqüência. Desabrigados e desalojados somam 13,7 mil pessoas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Em um novo balanço, a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil confirmou nesta sexta-feira, dia 14, 479 vítimas fatais devido à enxurrada na região serrana do Rio de Janeiro, que começou na terça-feira, 11.

Leia Mais

Especialista aponta motivos para gravidade das enchentes

Veja fotos da tragédia

O município que mais contabiliza vítimas é o de Teresópolis, onde 222 pessoas morreram até o momento. Em Nova Friburgo, foram registradas 216 vítimas e em Petrópolis, 41. Ainda segundo o balanço, há mais de seis mil desabrigados na região serrana e outros 7,7 mil desalojados.

As informações sobre número total de mortes por desabamentos de encostas em conseqüência das fortes chuvas que atingem o Estado do Rio de Janeiro ainda são desencontradas. Novos números são divulgados com freqüência.

No início da manhã, o portal G1 noticiava que o número de mortes chegava a 506 em quatro cidades da região serrana — Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis e Sumidouro. Por volta das 08 horas, a Agência Brasil afirmou que o número de mortes passava dos 500. Já o site do Estado de S. Paulo informava às 8h10min que a chuva já causou a morte de 510 pessoas na região serrana do Rio.

A previsão é que a chuva continue até sábado, 15.

Confira a íntegra da nota divulgada:

“Balanço vítimas fatais chuvas no Estado, 08h20 de 14/01

A secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil informa balanço parcial do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil estadual em relação às vítimas fatais, desabrigados e desalojados na Região Serrana, em função das chuvas. A Secretaria esclarece que militares da corporação permanecem em campo, ajudando os municípios mais afetados a socorrem as vítimas.

Vítimas fatais:

Teresópolis – total de 222 vítimas

Petrópolis – total de 41 vítimas

Nova Friburgo – 216 vítimas

TOTAL DE 479 MORTOS

Desalojados e Desabrigados:

Petrópolis – desalojados 3.600, desabrigados 2.800

Teresópolis – desalojados 960, desabrigados 1.280

Nova Friburgo – desalojados 3.220, desabrigados 1.970″

Informações de ZeroHora.com

FOTOS: reprodução / Valter Campanato-ABr

Share This Article

“Coração Valente” anuncia aposentadoria

Next Story »

Chuva no Rio obriga moradores a fazer fila em frente a sacolão

11 Comments

  1. JOSÉ RIBAMAR DE SOUSA
    14 de janeiro de 2011

    É LAMENTAVEL QUE UM PAIS TAO RICO COMO O NOSSO VENHA ACONTECER ESTE TIPO DE TRAGEDIA POR FALTA DE INVERTIMENTO,E RESPONSABILIDADE DE NOSSOS GOVERNANTES..

    Responder
  2. michael felipe marques
    14 de janeiro de 2011

    pq o prefeito jorge mario nao abre a casa de saude e o predi que esta interditado ao lado para ajudar as vitimas deste desatre com a nossa cidade

    Responder
  3. 14 de janeiro de 2011

    Mundo vai acabar mesmo em 2012

    Responder
  4. 14 de janeiro de 2011

    É muito triste umas cenas dessas princinpalmente crianças por que não tem defesa nenhuma eu ja´chorei muito mas e as coisas mal feitas que existem em varios lugar principalmente aqui em fortaleza

    Responder
  5. JOSE
    14 de janeiro de 2011

    DEUS DÊ MUITA FORÇA A ESSAS PESSOAS NESSE MOMENTO TÃO DIFICIL

    Responder
  6. cleuza pereira
    14 de janeiro de 2011

    e uma vergonha o nosso brasil temos que nos unirmos e no dia de eleição não ir votar pra que eles vejão que não estão lidando com pessoas bobas que nos estamos mostrando que não acreditamos nas promessas deles porque todo ano ficamos triste com tanto sofrimento eu choro de ver essas pesoas sofrendo

    Responder
  7. MEIRI
    14 de janeiro de 2011

    SE O PAIS FOSSE REALMENTE RICO SERIA UM PAIS DE PRIMEIRO MUNDO, OS GOVERNANTES TEM QUE IMPORTAR TECNOLOGIA DO JAPÃO PARA PREVENÇÃO DE IMUNDAÇÕES E DESLISAMENTOS E DEVEM TOMAR VERGONHA NA CARA AO INVÉS DE QUERER RECONSTRUIR AS CIDADES DEVEM CONSTRUIR MORADIAS DIGNAS PARA OS ACIDENTADOS QUE PERDERAM TUDO NA TRAGÉDIA DO RIO,ESSAS CASAS DEVEM SER CONSTRUIDAS EM OUTROS LOCAIS LONGE DOS MORROS. A DEFESA CIVIL DEVERIA PROIBIR E CONTER O CRESCIMENTO DESORDENADO DAS CIDADES EM LOCAL DE RISCO,SE ELES NÃO AGEM COM DEVERIM AGIR, PARA QUE ENTÃO EXISTE DEFESA CIVIL, QUE VIVE FAZENDO PREVENÇOES MINIMAS, E NÃO RESOLVEM O PROBLEMA DAS MORADIAS DO BRASIL.

    Responder
  8. Roberta Bastos
    15 de janeiro de 2011

    Que Deus olhe por todas essas pessoas, e conforme o coração daquelas que perderam amigos e parentes o Pará sente muito por tudo isso.

    Responder
  9. 16 de janeiro de 2011

    Responsabilidade de todos nós. Olhar ao lado e não aceitar a ocupação de áreas de risco, cobrar dos representantes, exigir ética profissional, denunciar o mau uso dos espaços, fazer cumprir a lei através de Planos Diretores. Todo município tem este direito: de ser ordenado por planos que contemplem a vida das pessoas, a natureza, as obras necessárias para a qualidade de vida. Décadas de urbanismo e arquitetura! Precisam os desastres para que os técnicos sejam ouvidos?

    Responder
  10. Monica
    20 de janeiro de 2011

    Só pra esclarecer , o desastre que aconteceu em Nova Friburgo e por toda região serrena não foi por imprudencia das pessoas , e sim um fatalidade, porque a maioria das areas que foram antigidas eram aréas nobres , toda a ciade foi atingida no caso de Nova Friburgo todos fomos atingidos de alguma manera, do rico ao pobre , teve até milionario encontrado debaixo da terra , então ao inves de procuramos culpados oremos por todo para que Deus conforte o corção de todos!.

    Responder
  11. kailom
    16 de fevereiro de 2011

    eu queria dizer uma palavrinha para cleuza pense bem se nos nao votarmos o nosso voto vai para as pessoas que estavam no cargo anterior nao é

    Responder

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Blue Captcha Image
Atualizar

*

Turismo